REVISTA

Filie-se

Golpes contra aposentados crescem quase 30%

Aposentados e pensionistas são alvo de muitos estelionatários que tentam se aproveitar do desconhecimento de segurados para aplicar diversos golpes. Até julho foram cadastradas 948 denúncias na Ouvidoria Geral da Previdência Social, quase 30% maior que as 732 queixas feitas no mesmo período de 2016.

Um dos mais recentes é o da revisão do teto previdenciário para quem se aposentou entre 1988 a 1991. Um caso recente aconteceu em Bauru, no interior de São Paulo. Um falso advogado enviava cartas às vítimas, prometendo alcançar o teto previdenciário de R$ 5,5 mil. Ele foi preso tentando fechar contratos com aposentados.
 
Segundo a Secretaria da Previdência, os criminosos se identificam como integrantes do Conselho Nacional de Previdência (CNP) oferecendo algum tipo de benefício. Afirmam que o aposentado ou pensionista teria direito a receber valores atrasados e pedem que entrem em contato com eles por meio de um número de telefone. 
 
Quando faz a ligação, os fraudadores pedem dados pessoais e solicitam o depósito de determinada quantia em uma conta bancária, para liberar um pagamento que não existe. 

Em outras situações, os criminosos abordam os segurados e afirmam que estes teriam direito a receber valores referentes a uma falsa revisão de benefícios concedidos à época do governo Collor.
 
A Secretaria de Previdência esclarece que não entra em contato com seus segurados por meio desse tipo de abordagem, muito menos tem algum tipo de relação com planos de previdência complementar para segurados do INSS. 

O aposentado que for vítima de qualquer tipo de golpe deve registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil e comunicar a Ouvidoria Geral da Previdência Social na Central 135 ou pela internet, no site  www.previdencia.gov.br.

Postado em: 04/09/2017